domingo, julho 06, 2008

**GRATUIDADE**


*Gratuidade*
***
Na gratuidade sou destarte
Numa visão real da vida
Deixo aqui meu caro aparte
Reconhecimento, provida:
Da certeza que a natureza
É Baluarte e altiveza.

Na beleza das paisagens
O desfile no vôo das aves
Do oásis sublimes miragens
No espaço as aeronaves
No espetáculo dos rios
Na poluição perdendo brios

O Homem criatura mortal
Passageiro destino incerto
Ser corrupto abnormal
Tem domínio diz-se esperto
Altera o gene nasce o câncer
Cura, mata e o anticâncer?

Milhões de astros no espaço
Suspensos em movimentos
Deslocam-se sem cansaço
Em gravidade provimento
Gratificante ao meu olhar
Sol e luar beijando o mar

A fauna está dizimada
Na flora as árvores choram
Animais, em jaula ilhada
As toras da madeira rolam
Amazonas pulmão do mundo
Na calada qual moribundo

Esta beleza santa, rara
Desfilando em passarela
Uma criação Divina cara
Destruir tão nobre tela
Só ganância dos mortais
Estão visíveis, seus sinais
***
Sogueira
Eu Poesia, Contos e Crônicas
Lançamento este mês

Um comentário:

fazenda do escravo bento disse...

Quero desajar a todos um feliz ano novo e dizer que não tenho muita intimidade no comp,mais em defesa do meio ambiente me atrevo:


Titulo: Bom dia!Disse o cavalo.

Hoje acordei um pouco Escravo : Olhando da janela da minha sala vi os três cavalos do Dr. José de arimatéia, observando e apreciando as minhas pinturas, depois eu fiquei assustado pois um deles disse:Bom dia escravo bento,1714! E eu respondi sonolento e atordoado, bom dia! E comecei a escrever este poema olhando para eles: pensei... O cavalo parece ser gente, na cara no gesto e no olhar, às vezes compreensivo educado e inteligente; e assim o galo cantou, eu o ouvia claramente o canto em glorias a Deus nas alturas!E pensei... O galo imponente quer ser gente e tenta se comunicar com a gente cantando e ciscando impondo respeito. Apareceram os micos estrelas no pé de jambu parecia tocar violão, parece gente, afirmei: Mais não é gente, mas se olhar bem parece até com a gente, mais nunca foi gente. Aproximando o burro de mansinho, contestei: ele quer dar conselho pra gente e se comporta como a gente no caminhar, olhar e desfilar: percebi em certa direção: a cobra tem olhar experiente, vivido, sofrido, anda rasteiro e tem veneno nas presas como o da língua da gente, querendo ser gente: Na mangueira entre as folhas verdes, azuis e brotos amarelos, estava o papagaio nervoso, indeciso, confuso,chamava a atenção,afirmava sim e ao mesmo tempo não,ora dançava,gesticulava,pulava,batia asas e gritava... Não tinha paz!Pensava ser gente, agindo como agente, fazendo mesmo fofocas da gente. Levei um susto: a coruja muito feia se aproximou, mais olhando através da arte e do amor, observei que no mundo animal até o ridículo é muito belo e ela tem o olhar sério lindo e misterioso da gente, afirmando ser nossa mãe.Mais tem gente, que não parece ser gente e pensa ser gente igual a gente...apareceu o tucano bailando no ar como em gratidão fazia proezas no vento calmoso na luz do sol da manhã.As galinhas juntas começaram a cacarejar,contando histórias apavorantes da noite passada e do amigo gambá ,pensando em alguns momento ser gente, igual a gente .Mais tem gente,que não é gente e pensa ser gente igual a gente.O cachorrinho balançava o rabinho olhando tudo com carrinho ,pulava no chão, e no sofá ,fazendo acrobacia no ar, cheio de alegria, dava pra ver: queria o privilégio de ser gente, igual a gente:Naquela manhã acordei como Escravo de todos os escravos e vi gente em tudo igual a gente.que não são gente,mais carente de carinho e do amor da gente,em termo de preservação.Enfim tudo é gente como agente ou um pouquinho da gente, agindo como a gente escondida no ser,precisando ser amados pela gente ou por aqueles que afirmam ser gente, ou pensam ser gente como a gente.
Acredite se quiser: historias verídicas.
Escravo bento