domingo, outubro 31, 2010

* O INFINITO

O Infinito

O grito ecoou na hora primeira

Surgiu a vida parecendo infinito

Sabendo da finitude ira obreira

Tremi vendo da natureza o rito

*

Infinito é o sonhar na esperança

Parecendo magia contra o tempo

Perpetuando o gene como herança

Espécime vorace em contratempo

*

Deitei na imensidão contei estrelas

Tantas parecendo pingo em chuva

Não sei se infinitas, porém singelas

A mente desfigurada ficou turva

*

O amor, tema imortal, creio infinito

Ovação dos amores nasce e fenece

Rápido como gemido de tão finito

Fenece, renasce perdoa como prece

*

Eu vi no infinito teu culto olhar

Em tanta profundidade me perdi

Espelho transbordante ao mirar

Deus, que infinito, nunca esqueci

*

SoniaNogueira

Classificada nas três primeiras colocadas

No Concurso Poesias Encantadas, 2010,

Mogi Guaçu SP. Coordenador Luciano Becalete

*

Texto de Sonia Nogueira, no jornal O povo

http://www.opovo.com.br/app/opovo/jornal-do-leitor/2010/09/25/noticiajornaldoleitorjornal,2044558/o-peixe-e-o-pescador.shtml

*

2 comentários:

Antonio Cícero da Silva(Águia) disse...

Os acontecimentos e sentimentos, sobre nos trazem os sobressaltos...
Belíssimo escrito...

POESIAS EM FOCO disse...

Degustei maravilhosamente esses versos infinitos que brilham maravilhosamente no nosso livro , parabéns Sônia.